Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

O Brasil passa a ser membro do Comitê Aliado 327 da OTAN

A Chefia de Logística e Mobilização do EMCFA  passa a ser membro do Comitê da OTAN para Gestão do Ciclo de Vida de Sistemas

 

O Ministério da Defesa (MD) passou a integrar, no início deste mês, o Comitê Aliado para a Gestão do Ciclo de Vida de Sistemas (AC 327) da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN). O Comitê é destinado à normatização, definição de processos de negócio, procedimentos técnicos e gerenciais e elaboração de acordos padronizados que formatam, com as melhores práticas, a obtenção, o apoio logístico e a alienação de sistemas e produtos de defesa.

Ao longo do primeiro semestre deste ano, a Chefia de Logística e Mobilização (CHELOG), do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA) do Brasil, conduziu um Grupo de Trabalho (GT) com o propósito de definir uma doutrina sobre o tema no âmbito do MD e dos Comandos das Forças Armadas. Durante a condução do trabalho, de comum acordo, a normatização da OTAN foi empregada como referencial teórico para o modelo brasileiro.

Segundo o chefe da CHELOG, almirante Leonardo Puntel, a integração do Brasil ao Comitê é muito importante para promoção de melhorias na área de Defesa. “A participação brasileira nesse Comitê, da mesma forma como já acontece, há vinte anos, com a presença do MD no Comitê OTAN para a Catalogação (AC-135), é um fator importante para o desenvolvimento da Base Industrial de Defesa do Brasil, aperfeiçoamento da logística e busca da interoperabilidade”, afirmou o almirante.

A Metodologia para a Gestão do Ciclo de Vida de Sistemas é uma ferramenta mundialmente consagrada com base na Norma ISO 15.2888. O objetivo é assegurar que os requisitos operacionais, tecnológicos, logísticos, de qualidade e interoperabilidade, que determinam a obtenção de um sistema ou produto de defesa, possam ser cumpridos ao longo de todo o ciclo de vida estabelecido para o sistema ou produto, com foco na otimização da razão disponibilidade-custos.

Muitos dos processos estabelecidos para o modelo adotado pela OTAN já estão normatizados pelas Forças Armadas do Brasil e são observados na obtenção de sistemas e produtos de defesa no contexto do Plano de Articulação e Equipamento de Defesa (PAED).

No âmbito do MD, a responsabilidade para coordenação da participação no AC-327 foi delegada ao Centro de Catalogação de Defesa (CECADE), que passará a ser denominado Centro de Apoio a Sistemas Logísticos de Defesa (CASLODE), devido às novas demandas atribuídas ao setor.

Atualmente, o CECADE/CASLODE planeja o programa de trabalho, conforme os interesses brasileiros, para efetiva integração ao AC-327, que se dará, inicialmente, nos subgrupos voltados às questões de qualidade e custos já ativados na organização do Comitê.

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página